Lançamento do livro GEOGRAFIAS CORPORAIS

É com grande alegria que anuncio a publicação de GEOGRAFIAS CORPORAIS, livro com fotografias minhas e contos inéditos do querido amigo Paulo Kellerman.

Poderia dizer muitas coisas sobre o livro; sobre os 4 anos de trabalho intenso, sobre as idas e vindas até chegar a este momento. Ou sobre o quanto sou grata a cada um dos bailarinos da Pulsar Companhia de Dança e do grupo Te Encontro lá no Cacilda, por me receberem de braços abertos; ao Paulo, por embarcar comigo nesta aventura maravilhosa; ao Licínio Florêncio, ao Éder Ribeiro, à Alter Edições e à Pigma, por nos ajudarem a materializar este sonho.

Porém, o que sinto é que não há palavra capaz de traduzir a emoção que me vai cá dentro ao vê-lo no mundo. [sorrio]

APRESENTAÇÃO em breve!!

Já podem reservar / encomendar pelo email:
[for orders]
geografiascorporais@gmail.com

[ENGLISH VERSION AVAILABLE]


Geografias Corporais é um projeto desenvolvido em 2018 com a Pulsar Companhia de Dança o grupo de pesquisa sobre o movimento Te Encontro lá no Cacilda. Surgiu no âmbito de uma publicação acadêmica sobre arte, estética de resiliência, corpo, deficiência e as múltiplas corporeidades, com o intuito de questionar e desestabilizar a ideia de corpo normal como universal. O projeto tornou-se, ele mesmo, uma produção artística, entrelaçando fotografia e literatura. Ganhou corpo, infiltrou-se na pele, tomou conta de boa parte da vida durante quatro anos. Envolveu pessoas e afetos. Partes dele foram publicadas aqui e ali. E agora, torna-se do mundo. Por inteiro.

A Sonhadora

A Sonhadora é resultado de uma cumplicidade entre imagem e palavra, entre contadores de histórias. Às narrativas que são contadas pelo corpo e pelas fotografias, soma-se a que é contada pelo texto. Juntas, descortinam outro fios narrativos possíveis; instigam o leitor a mergulhar nas múltiplas camadas das imagens e do texto e a sonhar suas próprias histórias.

História completa aqui.

Fotos: Frankie Boy

Texto: Ana Gilbert

————————————

The Dreamer is the result of a complicity between image and word, between storytellers. In addition to the narratives that are told through the body and through the photographs, there is also what is told through the text. Together, they reveal other possible narrative threads; they instigate the readers/viewers to dive into the multiple layers of images and text and to dream their own stories.

Full story here.

Photos: Frankie Boy

Text: Ana Gilbert

Que coisas?

Que coisas tenho eu que sejam só minhas, que não sejam arrancadas de mim pelas tuas perguntas, pelas tuas dúvidas, pelos teus anseios?

Convulsão

“Ao sinal invisível, os homens começam a disparar. Descarregam as armas, como uma ejaculação coletiva, fruto de um gozo inominável. Uma nuvem de pássaros tinge o azul do céu com gritos vermelhos. As pessoas vão caindo, flor a flor.”

[excerto do conto Convulsão, em A respiração do tempo]

Uma edição Minimalista

ESTREIA 16/09/2022

Foto: Ana Gilbert

20h, no canal YouTube da FUNARTE. Aqui

emConcretudes Primárias é um filme de dança inédito da Pulsar Cia de Dança em parceria com a Piloto Filmes. A sua criação teve como inspiração a luz, o estudo das cores primárias e as suas interferências/reverberações no movimento, na estrutura de cada um e no brincar com as partes do corpo que se articulam e se conectam. Em um jogo de luz, cores, texturas, superfícies, corpos e movimento se deu a construção da dramaturgia do trabalho. Como, também, na relação com a arquitetura de concreto da Cidade das Artes, espaço cênico da filmagem, onde se revelam espaços, formas e luminosidades, os quais ampliam a percepção e o afetar-se com esse entorno.

FICHA TÉCNICA
Direção: Maria Teresa Taquechel y Saiz e Patrick Zeiger
Composição Coreográfica: Maria Teresa Taquechel y Saiz
Intérpretes criadores: Andréa Chiesorin, Gabriela Jung, Luciano Martins, Maria Teresa Taquechel, Matheus Trindade, Paula Mori, Rachel Canella, Raphael Arah, Victor Pesant e Yuri Fróes de Lima
Assistência de Direção: Raphael Arah
Direção de Fotografia e Câmera: Tomás Camargo
Roteiro: Maria Teresa Taquechel y Saiz, Patrick Zeiger e Victor Pesant
Montagem e Câmera: Patrick Zeiger
Producão: Paula Mori
Som Direto, Desenho Sonoro e Mixagem: João Marcelo Heinz
Trilha Sonora: João Marcelo Heinz e Orlando Massiere
Artista e Intérprete criadora convidada: Gabriela Gonçalves
Consultoria de Figurino: Dréa Nunes
Figurino: Pulsar Cia. de Dança
Visagismo: Bruno Alsiv
Videografismo: João Vilhena
Fotografia Still e Making of: Ana Gilbert
Arte Gráfica e Divulgação: Gabriela Jung
Assistência de Câmera: Coelho Light
Pesquisa em Conteúdos Acessíveis
Direção de Acessibilidade
: Andréa Chiesorin
Roteiro de Áudiodescrição: Andréa Chiesorin e Raphael Arah
Supervisão de Roteiro: Adriana Urpia – A))Darte Acessibilidade Cultural
Consultora de Audiodescrição em Dança: Moira Braga
Intérprete de Libras: Karol Lopes
Poema Sinalizado e Narração: Gabriela Gonçalves
Legendagem: Sérgio Nunes – AD))arte Acessibilidade Cultural
Narração de Audiodescrição
: Adriana Urpia, Gabriela Jung e Raphael Arah
Colaboração de Roteiro de Audiodescrição: Ana Gilbert, Gabriela Jung, Gabriela Gonçalves, Maria Teresa Taquechel e Paula Mori
Gravação e Edição de Audiodescrição: Sérgio Nunes – AD))arte Acessibilidade Cultural e
Maurício Gaetani – Maestro Áudio
Núcleo de Pesquisa de Conteúdos Acessíveis em Dramaturgia do Movimento – Escola e Faculdade Angel Vianna e Pulsar Cia de Dança: Andréa Chiesorin, Maria Teresa Taquechel, Moira Braga e Raphael Arah
Produção Administrativa e Financeira: Lucimar Gonçalves
Assistência de Produção: Carol Lemos e Christian Woldmar Cunha
Administração do Projeto: Piloto Filmes
Coordenação Geral: Maria Teresa Taquechel y Saiz

Us | Maps of Confinement

Translated by Han Hu

I don’t know your name, I never had the courage to ask. But we are neighbours. Of life. We live under the same skin, even though many meters of frayed fabric separate us. I don’t know where you are; I pass through our usual haunts and all I can see is your absence. Which pavement are you sitting on now? What have you been jotting down in your torn notebooks? I would love to read your notebooks, your words. Or could they be drawings? They might be scribbles, barely suggested forms, expressing nothing to me but vital to you. (I dreamed of them.) Your latent story, waiting to be told; and I would suffer from my inability to decipher you.

I miss how you wave wearing all those rings, the overlaid clothes that wrap you up on days of intense heat and that are like many layers protecting something very delicate you carry on the surface of your skin. I miss the bags that transport your world and contain your dreams; your mobile home. And I miss your smile, conquered with the daily exchange of shy looks. I never had the courage to stop and photograph you, to ask for your permission to choose the best angle, the one which shows your beauty blossoming forth. Permission to freeze your pulsation in time; to touch you with my body turned lens.

I review the sinuous choreography of those who cross your path, the averted gazes and steps demarcating territories of existence, and I ask myself which path could lead me to you. I don’t know where you are and yet I believe I can find you in some corner of myself. I’m afraid to sit next to you and see the world unveiling itself at your eye level. I’m afraid of what you carry in your body (or soul?) would, I sense, flow over me at the first touch. I’m afraid of inoculating myself with your humanity and being mortally wounded in my arrogance. I try, in vain, to protect myself with the safe distance of anesthesia.

I think our conversation would be made up of discomfort and restrained gestures; traversed by the unpleasant smell of abandonment, which trails behind you and which I can’t bear to inhale. (Would you be able to smell my antiseptic scent of sanity?) And our farewell, a mixture of relief and pain. I don’t know where you are; I don’t know your name. Would I ask, if I saw you today?

(My text to the Maps of Confinement Project)